#1 Início. Identifique se seu filho está pronto para acessar a internet. A web oferece possibilidades e riscos. “É a maior rua do mundo. Se a criança não tem maturidade para andar sozinha na rua, também não tem para ficar sozinha na internet”, diz Rodrigo Nejm, psicólogo e diretor de educação da SaferNet.

#2 Diálogo. Negocie com as crianças as regras de acesso, tempo e tipo de uso desde o primeiro clique.

#3 Limite. Respeite a idade mínima de acesso definida pelas redes sociais. Para Facebook e Instagram, por exemplo, é de 13 anos. “É importante não permitir criar perfis pondo data de aniversário errada. É quebrar a 1.ª regra”, diz Heloisa Ribeiro, da Childhood Brasil.

#4 Presença. Participe da vida digital do seu filho. No caso de crianças, acesse a internet ao lado delas e peça para mostrarem o que fazem. É sempre importante orientar sobre comportamentos inadequados. Envolva a escola e outros pais na discussão.

#5 Restrição. Para crianças mais novas, colocar filtros para conteúdos impróprios pode ser útil. “Os programas de filtro ajudam, mas não substituem o acompanhamento dos pais”, pondera Rodrigo Nejm, da Safernet.

#6 Reação. Nos casos de agressões online, aja e ampare seus filhos. “Bloqueie o agressor também e procure ajuda. Salve evidências, denuncie, faça um print”, enumera Sara Bottino, psiquiatra e pesquisadora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).